PF prende falsa enfermeira em caso sobre suposta vacinação de empresários

A prisão ocorreu na investigação da Polícia Federal sobre a suposta vacinação de empresários e políticos do setor de transporte de Minas Gerais

Polícia Federal prendeu a cuidadora de idosos Cláudia Mônica Pinheiro Torres Freitas por suspeita de comercialização ilegal de vacinas contra a covid-19. De acordo com as investigações, Cláudia teria se passado por uma enfermeira e feito a vacinação em donos de empresas de ônibus em Belo Horizonte (MG).

A prisão ocorreu na noite dessa 3ª feira (30.mar.2021) após mandados de busca e apreensão serem cumpridos na casa da suspeita. O filho dela e o motorista da família também foram levados à delegacia. Após prestarem depoimento, os 2 foram liberados. Já Cláudia foi encaminhada para o Complexo Penitenciário Estevão Pinto, na capital mineira.

A cuidadora de idosos é investigada por falsificação, corrupção e adulteração ou alteração de produto terapêutico ou medicinal. Caso seja condenada, pode enfrentar uma pena de até 15 anos de prisão e ser obrigada a pagar multa. A defesa de Cláudia afirmou que só vai se manifestar após análise do caso.

Nas buscas na casa da suspeita, a PF encontrou doses da vacina contra a gripe e ampolas com soro. Os investigadores suspeitam que empresários e políticos que teriam sido vacinados foram enganados. A vacina seria falsa e as seringas estariam cheias de uma das duas substâncias encontradas na casa de Cláudia. Agora, a perícia vai analisar todos os insumos médicos.

PUBLICIDADES

O CASO

Uma reportagem da revista piauí indicou que empresários, políticos e seus familiares teriam tomado a 1ª dose da vacina contra a covid-19. As pessoas envolvidas não fariam parte dos grupos prioritários e teriam se vacinado fora do PNI (Programa Nacional de Imunização).

A vacinação ilegal teria ocorrido em uma garagem de ônibus. A maior parte das 57 pessoas que foram supostamente vacinadas são ligadas ao setor de transporte de Minas Gerais. A organização da vacinação teria ficado a cargo dos donos da viação Saritur.

Entre os supostos vacinados está o ex-senador e ex-presidente da CNT (Confederação Nacional do Transporte) Clésio Andrade. Na reportagem da piauí, Andrade afirmou que tinha tomado a vacina, mas depois da publicação da reportagem, negou.

piauí afirma que cada vacina custou R$ 600 aos empresários e políticos. E a 2ª dose estaria prevista para daqui a cerca de 30 dias. A vacina que teria sido aplicada foi a da Pfizer. A empresa negou que tenha feito a comercialização do imunizante fora do PNI.

Se a vacinação for confirmada, de acordo com o MPF (Ministério Público Federal), os envolvidos podem ser acusados de contrabando, descaminho e de uso e importação de medicamento farmacêutico sem registro.

Fonte de Informação:https://www.msn.com/pt-br/noticias/brasil/pf-prende-falsa-enfermeira-em-caso-sobre-suposta-vacina%c3%a7%c3%a3o-de-empres%c3%a1rios/ar-BB1f9YiJ?li=AAggXC1

LEIA MAIS NO CANDEIASPLAY

CURTA,COMPARTILHE NOSSA PAGINA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *