Enfermeira de SP é a 1ª vacinada do país; Doria e Pazuello trocam farpas

PUBLICIDADE

Enfermeira Monica Calazans foi primeira pessoa a ser vacinada com a CoronaVac fora dos testes clínicos

Uma enfermeira do instituto de infectologia Emílio Ribas foi a primeira pessoa a ser vacinada no país contra o coronavírus após a aprovação do uso emergencial feito pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A aplicação ocorreu por volta das 15h30 deste domingo (17) no Hospital das Clínicas de São Paulo, pouco depois da Anvisa autorizar o uso por unanimidade das doses importadas pelo Instituto Butantan e pela Fiocruz.

Segundo o governo paulista, a enfermeira Mônica Calazans, de 54 anos, é diabética e hipertensa e se voluntariou para atuar na linha de frente contra a covid-19. O imunizante foi aplicado por Jéssica Pires de Camargo, 30 anos, enfermeira de Controle de Doenças e Mestre de Saúde Coletiva pela Santa Casa de São Paulo.

Em seguida, a primeira vacinada recebeu o selo simbólico com os dizeres “Estou vacinado pelo Butantan” e uma pulseira com a frase “Eu me vacinei” e participou de uma entrevista coletiva ao lado do governador paulista, João Doria.

Em fala a jornalistas após a cerimônia de vacinação, Doria criticou negacionistas, fake news, agressões e “aqueles que flertam com a morte”, em referência velada ao presidente Jair Bolsonaro.

Segundo ele, hoje é o dia V de vacina, da vida e de vitória da democracia e da ciência. Essa foi uma outra referência velada ao governo federal, já que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou que a vacinação no país começaria no dia D na hora H, sem definir cronograma claro.

Em entrevista concedida ao mesmo tempo em Brasília, Pazuello afirmou que o governo federal não faria uma jogada de marketing para antecipar a vacinação, em referência ao governo paulista.

Pazuello afirmou que cabia ao governo federal coordenar a aplicação pelo país. “Quebrar essa pactuação é desprezar a igualdade entre os Estado e entre todos os brasileiros. Construída ao longo de nossa história”.© Instituto Emilio Ribas/Instagram

Ele criticou ações “político-eleitoreiras” para se antecipar na vacinação e disse que o programa federal “não deixaria nenhum brasileiro para trás”, “sem dividir o nosso país”.

E falou que a Justiça vai tratar da ação antecipada do governo paulista porque, segundo ele, a aplicação de uma dose da vacina em São Paulo “está em desacordo com a lei”.

Pazuello afirmou que todas as doses que estavam com o Instituto Butantan deveriam ter sido entregues ao governo federal.

Segundo o ministro da Saúde, a distribuição de 6 milhões de doses da Coronavac será feita a partir das 7h desta segunda-feira (17/1) para todos os Estados. Não está claro ainda quando as imunizações serão iniciadas.

O ministro foi questionado sobre 2 milhões de doses da AstraZeneca/Oxford adquiridas na Índia, já que o cronograma de chegada desses imunizantes está atrasada. “Estamos nas negociações diplomáticas (do momento exato da saída) para que seja realizada a entrega (das vacinas).”

Ele se disse confiante de que as vacinas serão recebidas pelo Brasil ainda nesta semana.

Fonte de Informação:https://www.msn.com/pt-br/saude/coronavirus/enfermeira-de-sp-%c3%a9-a-1%c2%aa-vacinada-do-pa%c3%ads-doria-e-pazuello-trocam-farpas/ar-BB1cPVIU?li=AAggXC1

LEIA MAIS NO CANDEIAS PLAY

CURTA,COMPARTILHE NOSSA PAGINA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *