Auxílio emergencial deve ser de R$ 400 na 4ª parcela

PUBLICIDADE

O ministro Paulo Guedes (Economia) propôs que o auxílio emergencial continuasse por mais 2 meses com a redução do valor para R$ 300. Agora, o governo aceita que seja R$ 400

Começou a temporada de aumento do auxílio emergencial. Jair Bolsonaro já está convencido de que a 4ª parcela do benefício deve ser reduzida de R$ 600 para R$ 400 –e não para R$ 300, como havia sugerido o ministro Paulo Guedes (Economia).

O governo já havia feito uma concessão a a respeito do valor do chamado coronavoucher quando o benefício foi criado. No início, Guedes propunha que o bônus fosse de R$ 200 por mês; no Congresso, sob pressão, o governo chegou a 3 parcelas de R$ 600.

Agora, a história se repete. Primeiro o governo falava que não haveria prorrogação. Depois, que seria algo na redondeza de R$ 200 por mais 2 ou 3 meses. Subiu para R$ 300. Agora, já está em R$ 400.

RODRIGO MAIA ATUA

O presidente da Câmara tem chamado para conversar vários integrantes da equipe econômica, como o secretário especial de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco. Marcelo Garcia também tem dado conselhos sobre a renda mínima. Ele trabalha no governo de Goiás, com Ronaldo Caiado.

Maia acha necessário refinar a base de dados do governo, que tem cerca de 55 milhões de pessoas recebendo o auxílio emergencial. Considera possível chegar a 1 número acurado de brasileiros que realmente precisem receber de maneira perene algum benefício.

Fonte de Informação:https://www.msn.com/pt-br/dinheiro/economia-e-negocios/aux%c3%adlio-emergencial-deve-ser-de-rdollar-400-na-4%c2%aa-parcela/ar-BB15w7GK?li=AAggXC1

LEIA MAIS NO CANDEIAS PLAY

CURTA,COMPARTILHE NOSSA PAGINA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *